segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

A guerra Lisboa Vs Cascais

A notícia não é recente. O episódio passou-se há mais de uma semana. Também não é nada de novo, jovem espancado por um grupo de rapazes. Ao que parece seis jovens resolveram bater num, o que demonstra um total acto de cobardia. E, pensam vocês, foi um acero de contas? Não! Porque não tinham nada contra o rapazinho, nem o conheciam "de aperto de mão" (palavras de um dos agressores/amigo dos agressores), só o conheciam de vista. Bateram-lhe, porque ele era amigo de não sei quem. Deixaram o Francisco completamente desfigurado, traumatismo craniano, nariz partido, bateram-lhe, inclusivamente, com um capacete. Choca-me esta violência gratuita, choca-me que seja entre jovens,  choca-me que não aja nenhum motivo aparente, choca-me que seja uma forma de resolver as coisas.
O assunto não termina aqui, porque os pais do Francisco, cobertos de razão, querem levar as coisas até às últimas consequências. Eu também quereria, espancar assim uma pessoa e ficar impune. A coisa começa a complicar-se aqui.
Ao que parece esta é uma "guerra" entre gangs, não da Musgueira, Casal Ventoso (nada contra!), mas Cascais, Lisboa. Deve ter sido por isso que o episódio se passou à saída de um jogo de Rugby e não de futebol! E, entre os agressores estão familiares - filho e sobrinho - de uma Procuradora de Cascais. Claro, que todos esperamos que ninguém esteja acima da lei. Mas..... 
Quando ouvi a notícia lembrei-me de uma situação do passado. No início da minha vida profissional, tive uma aluna hiper-mega irritante, o comportamento era mau e tinha a mania que tinha o rei na barriga, com os colegas, professores, auxiliares, todas as pessoas. Quando algo não lhe agradava, dizia sempre: Eu sou filha da Juíza ....Confesso que isto me aborrecia muito. Um dia respondi-lhe (assim em tom de brincadeira): Pois a sua mãe a mim não me dá muito jeito, agora a do X que é costureira é que me dá. Tenho um monte de roupa para apertar!  Mas, as  coisas não corriam nada bem, e existiu o dia em que tive de falar com a Senhora Juíza e percebi, porque é que a filha era assim. A mãe era igual, achava que os outros pais eram uma nódoa porque não tinham curso e que nós eramos uns capachos, ela só não ensinava a filha, porque não tinha tempo - porque faria um trabalho tão bom ou melhor que o nosso! Na reunião dei por mim a pensar que tinha regredido até aos tempos feudais e que tinha de prestar vassalagem aquela senhora, tipo representante do Rei, ó coisa que lhe valha. A reunião não correu nada bem. O resto do tempo passou, bem devagar. Hoje vejo a Senhora, sou cordial e nada mais. A menina cresceu, é uma adolescente empertigada e que tem dado muitos problemas, situações de álcool e droga. Mas, a resposta é sempre a mesma: Vai fazer queixa de mim, a minha mãe é a Juíza ..." E, normalmente, as pessoas não fazem queixa e deixam passar.
Espero que os pais do Francisco tenham a capacidade para fazer justiça, não para dar uns valentes tabefes aos agressores - que também mereciam- mas que sejam responsabilizados e condenados. Até porque muitos deles já são adultos, e não se é adulto só para se votar e ter carta de condução, também se é para se ir preso!

3 comentários:

  1. Guerras e gangs. Algo que não consigo perceber.

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Essa miúda,precisava de umas boas palmadas no traseiro....

    ResponderEliminar
  3. Há pessoas que querem marcar posição em determinadas situações pelo canudo que trazem na algibeira... apanho muito disso na minha vida profissional!
    Quanto ao resto...que se faça justiça!

    ResponderEliminar

Deitem cá para fora as vossas opiniões!!